MusicPlaylistView Profile
Create a at

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

DNA do Homem de Lagoa Santa


LuziaDNA do Homem de Lagoa Santa
já foi extraído dos ossos.

Ney Soares Filho Repórter - Fonte:HOJE EM DIA

A análise do DNA das ossadas pré-históricas mais antigas da região de Lagoa Santa, contemporâneas de Luzia, poderá ser a chave para esclarecer o surgimento do homem americano e o próprio desenvolvimento das raças humanas. A pesquisadora da UFMG Juliana Alves da Silva, que faz doutorado em biologia molecular, está trabalhando com algumas dessas ossadas no Instituto Max Planck, em Leipzig, na Alemanha, precursor dos estudos de antropologia molecular, e já conseguiu a primeira façanha: extraiu fragmentos de DNA desses ossos e iniciou o seu sequenciamento, ou seja, a identificação das bases formadoras de sua estrutura molecular.
A informação foi dada por sua orientadora, a bioquímica Vânia Ferreira Prado, PhD em Biologia Molecular. A captura do DNA de ossos pré-históricos é dificílima porque, após a morte, a tendência é que as enzimas das células quebrem suas sequências moleculares, fazendo-as desaparecer.
Identificando-se o código genético desses negróides pré-históricos, será possível saber se eles contribuíram na formação de alguns povos americanos. O estudo é minucioso e poderá levar meses ou até anos. Vânia Prado integra a equipe do geneticista Sérgio Danilo Pena que faz estudos sobre a formação genética dos povos americanos, asiáticos e africanos. Esses estudos estão sendo feitos por cientistas de vários países com povos nativos de várias partes do mundo.
Os estudos tomam como base o DNA mitocondrial que é transmitido unicamente pela mãe ao filho. E o cromossomo Y, que só o pai transmite. Enquanto os cromossomos dos gametas do pai e da mãe se recombinam na formação do embrião do filho, o DNA mitocondrial não sofre recombinação, e o cromossomo Y se recombina pouco. Como não sofre recombinação, o DNA mitocondrial é o mesmo nos vários grupos humanos há milhares de anos.
"Já se descobriu que o DNAs mitocondriais mais antigos estão na África, o que corrobora a teoria de que o Homo sapiens surgiu lá", explica Vânia Prado. Os DNAs mitocondriais asiáticos são os mais antigos depois dos africanos. Da Ásia, o homem teria se espalhado para os demais continentes, sofrendo diferenciações, resultantes de mutações, após milhares de anos convivendo com outros ambientes, climas e alimentações. As mutações estão presentes no DNA mitocondrial, o que permite verificar quando, em que populações e de que regiões elas ocorreram.
Índios descendem de mongóis
As análises do DNA dos vários grupos humanos, segundo Vânia Prado, já permite verificar que, depois que os primeiros homens africanos, negróides, se instalaram na Ásia, parte deles passou por um processo de mongolização, gerando a raça amarela. Antes disso, no entanto, esses negróides empreenderam um processo de migração, com parte rumando para a Oceania e, ao que tudo indica, outra parte seguindo para a América. "Se as datações que foram feitas estiverem certas, esses negróides chegaram à Austrália há cerca de 30 mil anos", informa a pesquisadora.
Esses estudos vão de encontro à tese do antropólogo Walter Neves, de que os negros chegaram às Américas e ao Brasil, antes dos mongolóides, dos quais descenderam os índios. Que os povos indígenas americanos descendem dos mongolóides, não resta mais dúvida. "O código genético dos índios americanos é semelhante ao dos povos nativos asiáticos", confirma Vânia Prado. No entanto, os homens pré-históricos de Lagoa Santa têm características antropomórficas bastante diferenciadas dos índios americanos e próximas dos aborígines australianos.
A tese de Walter Neves é de que esses brasileiros pré-históricos e os aborígenes australianos, se originaram de um mesmo povo negróide, que habitou o Sul da China e Sudeste da Ásia, antes de migrar para a Oceania e para a América. Outros pesquisadores, ainda na primeira metade do século, já haviam encontrado indícios não só antropológicos, mas também culturais da influência dos nativos australianos na formação de alguns povos indígenas da América do Sul.
O principal desses pesquisadores foi o francês Paul Rivet, que dirigiu o Museu do Homem de Paris, na década de 20. O uso da zarabatana, por exemplo, comum na Oceania, é uma característica de algumas tribos sul-americanas, e não existe entre mongóis ou índios norte-americanos. As evidências levaram Rivet a formular uma teoria da migração dos aborígenes australianos diretamente para a América do Sul, em embarcações, fazendo escala nas Ilhas Polinésias, que ficam no Pacífico, a meio caminho dos dois continentes.
"Essa teoria não se sustenta, porque a ocupação da Polinésia somente se deu há cerca de 2.000 anos, e os aborígenes australianos não dominavam a tecnologia de navegação em mar aberto", explica Walter Neves.

Extinção ainda é misteriosa
O desaparecimento da raça negróide que habitou a região de Lagoa Santa e o relacionamento (ou não) dela com os mongolóides que vieram a seguir e dominaram o continente são mistérios que a Ciência ainda tenta desvendar. Na verdade, entre as ossadas dos chamados "homens de Lagoa Santa", somente as mais antigas, com idade entre 11.500 e 8.000 possuem características negróides, como explica Walter Neves. As mais recentes, com menos de 8.000 anos, já apresentam características mangolóides.
O pioneiro das descobertas dessas ossadas humanas, foi o naturalista dinamarquês Peter Lund (veja o box abaixo), que se radicou em Lagoa Santa na década de 1830. Ele encontrou grande número de fósseis humanos e de animais pré-históricos já extintos nas cavernas da região. O maciço calcário do carste de Lagoa Santa favorece a fossilização das ossadas.
Segundo a arqueóloga Rosângela Albano, que dirige o Centro de Arqueologia Annette Laming Emperaire (é o nome da arqueóloga francesa que coordenou junto com André Prous a missão franco-brasileira que descobriu o crânio de Luzia, em 1975), Lund descobriu cerca de 70 ossadas humanas, a maioria das quais enviadas para o museu de Copenhague. Neste século, muitas outras ossadas foram encontradas por pesquisadores brasileiros e de outros países.
De acordo com Albano, o número de negróides encontrados é bem menor do que o de mongolóides, o que seria uma indicação que os primeiros chegaram aqui em número bem inferior. Porém, para Walter Neves, não há como fazer deduções sobre essas densidades populacionais. Ele lembra que o fato de os negróides serem de um período anterior torna mais difícil localizar seus vestígios.
Para Neves, a possibilidade de inter-relacionamento entre os dois grupos realmente existe. Pesquisas tentando essa comprovação em povos nativos da Patagônia já estão sendo feitas por ele. Mas a chave para uma comprovação definitiva deverá ser mesmo o DNA desses negróides. Uma das tribos atuais que poderia ter influência dos negróides pré-históricos, devido às características antropomórficas, segundo Vânia Prado, é a Maxacali. No entanto, ressalta ela, o DNA desse povo já está "contaminado", devido à miscigenação.

Peter Lund foi o grande pioneiro
Naturalista dinamarquês, Peter Wilhelm Lund nasceu em Copenhague, no dia 14 de junho de 1801. Formado em letras e medicina em 1818, preferiu a zoologia e a botânica. Mas ficou conhecido pelo trabalho realizado na primeira metade do século XIX na região de Lagoa Santa, em Minas Gerais.
Lund visitou o Brasil pela primeira vez em 1825. Residiu no estado do Rio de Janeiro, onde organizou coleções botânicas e ictiológicas. Retornou à Europa cinco anos depois, onde exibiu o resultado de suas pesquisas na França e na Itália.
De volta ao Brasil em 1833, percorreu outros estados, estudando a flora e a fauna locais. Notabilizou-se porém da existência de fósseis nas cavernas da região de Lagoa Santa, na bacia do Rio das Velhas. O doutor Lund, como ficou conhecido, percorreu quase 200 cavernas e identificou 115 espécies de mamíferos. Descobriu até ossos humanos misturados com ossos de animais, aproximadamente da mesma época. Empreendeu estudos detalhados dos fósseis humanos, resultando na definição das características do chamado "Homem de Lagoa Santa".
Naquela cidade, Lund escreve a história da época pleistocênica do Quaternário Brasileiro. Prova a predominância no Brasil dos dentados, alguns de forma gigantesca. A partir de 1835, suas pesquisas passaram a ser subvencionadas pela Sociedade de Ciências de Copenhague. Lund, que acabou reconhecido como o pai da paleontologia brasileira, organizou coleções botânicas, zoológicas e geológicas, divulgando na Europa as riquezas no Brasil.
Em 5 de maio de 1880, o naturalista dinamarquês morreu na própria cidade de Lagoa Santa, que adotara como sua terra. 

Mutações teriam gerado negróides
Apesar do reconhecimento de que os "homens de Lagoa Santa" mais antigos tinham características diferentes dos povos indígenas americanos (pelo menos da maioria deles), depois que a teoria da migração australiana, via mar, diretamente para a América do Sul caiu em descrédito, a Ciência passou a considerar, até recentemente, que a ocupação do continente americano se deu em função de uma única grande migração de mongolóides oriundos da Ásia Central.
As diferenças desses homens pré-históricos mineiros em relação ao restante dos povos nativos americanos, passou a ter como explicação possível diferenciações provocadas pelo isolamento na região durante séculos e séculos.
"Já se percebia que essa era uma população muito antiga e que possuía características diferentes dos indígenas atuais, que têm nítida descendência mongolóide. Mas antes imaginava-se que seria uma variação do grupo mongolóide, que teria sofrido uma diferenciação física por processo evolutivo, com mutações ao longo de milhares de anos", explica a bioantropóloga do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, Cláudia Rodrigues.
Segundo ela, o trabalho do antropólogo Walter Neves, da USP, é inovador porque ele fez comparações das características físicas de Luzia com as de várias outras populações humanas, chegando à semelhança com os aborígines australianos. Além disso, destaca ela, também não haviam ainda sido levantados indícios de uma outra migração da Ásia para a América, anterior à dos mongolóides, por um povo mais antigo do que aquele, utilizando o mesmo caminho, qual seja o Estrito de Bering.

Cocô fóssil e preguiça gigante
Além de ossadas, os arqueólogos têm encontrado na região de Lagoa Santa uma série de outros vestígios dos homens pré-históricos que habitaram o lugar e que ajudam a compreender seus hábitos. É fácil verificar que eles se encontravam na Idade da Pedra Polida, observando seus machados, alguns bem trabalhados, que deveriam servir a rituais (veja foto ao lado), segundo Rosângela Albano.
Mas eles também usavam a pedra lascada, para fazer pontas de lanças. Outros vestígios que ajudam a verificar que esses homens eram coletores e que também caçavam, eventualmente, são restos de fogueiras e de alimentos, e os coprólitos (fezes), que são cocôs pré-históricos fossilizados, como se vê noutra das fotos em detalhe ao lado. A análise desses coprólitos, por exemplo, permite estudar que tipo de alimentação tinham - basicamente frutos, folhas e raízes, além de alguma carne, quando conseguiam caça.
A luta pela sobrevivência envolvia ainda o convívio com grandes animais, como o gliptodonte, um imenso tatu de cerca de um metro de altura; a preguiça gigante, que podia ter mais de três metros quando apoiada sobre as patas traseiras; e o tigre-dente-de-sabre. Em contrapartida, os cavalos que habitavam a região eram pequenos, menores que um cachorro pastor alemão, como atestam ossos achados pelo próprio Peter Lund, ainda no século passado, numa gruta em Matosinhos, que ele batizou de Lapa dos Cavalos. De acordo com Rosângela Albano, Lund foi o primeiro a encontrar ossos de cavalos pré-históricos na América. Um desses ossos pode ser visto no Centro de Arqueologia de Lagoa Santa.

Museu expõe uma ossada completa
As grutas da região de Lagoa Santa surpreendem pela quantidade de achados arqueológicos e paleontológicos que se fazem lá. E um grande acervo desse achados está no Museu da Lapinha, criado há 28 anos pelo arqueólogo amador húngaro, Mihaly Banyai, de 80 anos, 37 deles morando em Lagoa Santa. Banyai conseguiu reunir cerca de 2.600 peças, entre ossadas de animais, vários crânios e outros ossos humanos, além de uma série de objetos dos homens pré-históricos.
Mas o principal achado, foi o de um conjunto de quatro ossadas humanas, localizadas na Lapa do Acácio, em 1987. Trata-se de uma ossada - a única completa já encontrada, segundo Banyai - de um homem adulto , além de uma mulher, um ancião e uma quarta ossada bastante fragmentada, que não deu para identificar bem.
Todo o conjunto foi acondicionado dentro de uma caixa cheia de terra da própria gruta, tapada com vidro, e com os esqueletos na mesma posição em que foram achados por Banyai. O que mais chama a atenção, porém, é uma ponta de flecha feita de nefrita , um mineral inexistente no Brasil, que estava enterrada junto das ossadas. Segundo Banyai, o local mais próximo onde se acha este tipo de mineral é na Guatemala, na América Central.
Isso faz supor que o objeto tenha passado de pai para filho, durante a migração do homem pré-histórico da América Central para a do Sul, ao longo de muitos e muitos anos. E que tenha sido enterrada como parte de um ritual em homenagem aos mortos, como é comum em inúmeros povos primitivos e, inclusive, tribos indígenas brasileiras.

Riqueza da regiãoA região do Carste de Lagoa Santa é tão rica em sítios arqueológicos que, muitas vezes, os vestígios dos homens pré-históricos são achados por acaso e no quintal de casa. A arqueóloga Rosângela Albano encontrou na porta da cozinha de sua casa, no distrito de Lajinha de Fora, um sítio cerâmico, com vasilhas de barro, pontas de flecha de pedra lascada e outros instrumentos. O húngaro Mihaly Banyai, de 80 anos, criador do Museu da Lajinha, atribui mais importância ao grupo de quatro ossadas humanas que encontrou em 1987, na Lapa do Acácio, do que ao crânio de Luzia. Primeiro porque um dos esqueletos está completo; e também porque tratava-se de uma sepultura, enquanto Luzia foi, provavelmente, carreada para a Lapa Vermelha pela água.
Além do Carste de Lagoa Santa, outro importante sítio arqueológico existente em Minas é o Vale do Peruaçu, em Januária, Norte de Minas. Na região, recentemente, o Governo instituiu, por decreto, o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu. São dezenas de grandes grutas, onde se encontram ricos painéis em pintura rupestre, ossadas e objetos humanos pré-históricos.
Para a reconstrução do rosto de Luzia, a equipe de Richard Neave, especialista em reconstituição facial, fez minuciosos exames do crânio, utilizando tomografias computadorizadas. O crânio foi refeito em material sintético e o rosto esculpido em argila. Para modelar o queixo e as bochechas, foram utilizadas camadas de massa que variaram de 15 a 20 milímetros.
Os fósseis dos mais antigos antepassados do homem datam de cerca de 4 milhões de anos. Eram hominídeos, do gênero Ardipithecus. Depois surgiram os Australopithecus. O primeiro representante do gênero humano foi o Homo rudolfensis, há 1,8 milhão de anos. O Homo sapiens arcaico surgiu há 500.000 anos. E o homem moderno, há cerca de 50 mil anos.
As análises de DNA de povos nativos de todo o mundo indicam que o homem surgiu na África. De lá, ele teria inicialmente migrado para a Ásia, de onde se espalhou por todos os continentes. De acordo com os novos ambientes, climas e tipos de alimentação em cada região, as populações humanas foram sofrendo mutações, originando as diversas raças que temos hoje. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário