MusicPlaylistView Profile
Create a at

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Cometa ISON: começou a intriga!


Cometa ISON: começou a intriga!

Foto do Cometa ISON, mostrando se tratar um objeto em forma de 'V', ou mera sobreposição de quadros?
Foto do Cometa ISON, mostrando se tratar um objeto em forma de ‘V’, ou seria mera sobreposição de quadros?
Já há alguns dias tem aparecido na Internet artigos postados sobre o cometa C/2012 S1 (ISON).  Esses artigos falam do comportamento anômalo deste cometa, registrado em fotografias, e alegam até mesmo que este objeto possa ser uma nave alienígena que está vindo em nossa direção.
Contudo, a probabilidade é que se trate mesmo de um fenômeno natural, afinal ainda estamos engatinhando em nosso conhecimento do que ocorre no universo.
De qualquer forma, aqui está um dos vídeos que foi postado no YouTube para a apreciação de nossos leitores, lembrando que a NASA explicou o efeito mostrado como sendo a sobreposição de fotos múltiplas.
Assista:

Encontram mais água na Lua… e desta vez ela não está no fundo de crateras nos pólos

Encontram mais água na Lua… e desta vez ela não está no fundo de crateras nos pólos

É claro, a água encontrada não se faz presente como na foto acima.
É claro, a água encontrada na Lua não se faz presente como na foto acima.
A cada dia que passa, ficamos mais surpresos com o que descobrimos em nossas pesquisas espaciais.  Já havíamos publicado a respeito da descoberta de água gelada no fundo de crateras lunares localizadas nos pólos da Lua.  Mas desta vez, já não se trata disto, nem tampouco da presença de diminutas moléculas do líquido dentro de minerais daquele satélite.  Desta vez a água está na superfície lunar, em forma de partículas é certo, mas com uma procedência completamente diferente do que se havia encontrado até agora.  Trata-se de “água magmática”, isto é, procedente das profundidades da Lua.  E até agora os cientistas não têm a mínima ideia da fonte desta água.
A descoberta, que foi feita através dos dados do Instrumento M3 da cápsula Chandravaan 1, da Índia, após o estudo das imagens da cratera Bullialdus que fica no equador da Lua, foi tornada pública pela NASA, a qual assegura se tratar da primeira detecção desta forma de água a partir de um artefato orbital, e reconhece que as fontes desta água são desconhecidas, mas que ela deve ser proveniente das profundidades do satélite.  Os estudos anteriores já haviam mostrado a existência de água magmática em amostras lunares recolhidas por astronautas do programa Apolo.
A parte central da cratera Bullialdus está composta por um tipo de rocha que se formou nas profundidades da crosta e do manto lunar.
Esta rocha, que normalmente reside muito abaixo da superfície, foi arrancada das profundidades pelo impacto que formou a cratera Bullialdus”, explica Rachel Klima, geóloga planetária do Laboratório de Física Aplicada da Universidade John Hopkins, em Laural, estado de Maryland – EUA.
Na composição de seu entorno, encontramos que a porção central desta cratera contém um volume significativo de hidroxila, uma molécula que consiste de um átomo de oxigênio e um de hidrogênio, o qual é prova de que as rochas nesta cratera contêm água que se originou muito abaixo da superfície lunar“, disse Klima.
A detecção de água desde uma observação orbital constitui num marco de primeira magnitude para o conhecimento do nosso satélite. E provavelmente um novo apoio ante a possibilidade de, num futuro próximo, contar com uma base lunar permanente em nosso satélite natural.

DNA do Homem de Lagoa Santa


LuziaDNA do Homem de Lagoa Santa
já foi extraído dos ossos.

Ney Soares Filho Repórter - Fonte:HOJE EM DIA

A análise do DNA das ossadas pré-históricas mais antigas da região de Lagoa Santa, contemporâneas de Luzia, poderá ser a chave para esclarecer o surgimento do homem americano e o próprio desenvolvimento das raças humanas. A pesquisadora da UFMG Juliana Alves da Silva, que faz doutorado em biologia molecular, está trabalhando com algumas dessas ossadas no Instituto Max Planck, em Leipzig, na Alemanha, precursor dos estudos de antropologia molecular, e já conseguiu a primeira façanha: extraiu fragmentos de DNA desses ossos e iniciou o seu sequenciamento, ou seja, a identificação das bases formadoras de sua estrutura molecular.
A informação foi dada por sua orientadora, a bioquímica Vânia Ferreira Prado, PhD em Biologia Molecular. A captura do DNA de ossos pré-históricos é dificílima porque, após a morte, a tendência é que as enzimas das células quebrem suas sequências moleculares, fazendo-as desaparecer.
Identificando-se o código genético desses negróides pré-históricos, será possível saber se eles contribuíram na formação de alguns povos americanos. O estudo é minucioso e poderá levar meses ou até anos. Vânia Prado integra a equipe do geneticista Sérgio Danilo Pena que faz estudos sobre a formação genética dos povos americanos, asiáticos e africanos. Esses estudos estão sendo feitos por cientistas de vários países com povos nativos de várias partes do mundo.
Os estudos tomam como base o DNA mitocondrial que é transmitido unicamente pela mãe ao filho. E o cromossomo Y, que só o pai transmite. Enquanto os cromossomos dos gametas do pai e da mãe se recombinam na formação do embrião do filho, o DNA mitocondrial não sofre recombinação, e o cromossomo Y se recombina pouco. Como não sofre recombinação, o DNA mitocondrial é o mesmo nos vários grupos humanos há milhares de anos.
"Já se descobriu que o DNAs mitocondriais mais antigos estão na África, o que corrobora a teoria de que o Homo sapiens surgiu lá", explica Vânia Prado. Os DNAs mitocondriais asiáticos são os mais antigos depois dos africanos. Da Ásia, o homem teria se espalhado para os demais continentes, sofrendo diferenciações, resultantes de mutações, após milhares de anos convivendo com outros ambientes, climas e alimentações. As mutações estão presentes no DNA mitocondrial, o que permite verificar quando, em que populações e de que regiões elas ocorreram.
Índios descendem de mongóis
As análises do DNA dos vários grupos humanos, segundo Vânia Prado, já permite verificar que, depois que os primeiros homens africanos, negróides, se instalaram na Ásia, parte deles passou por um processo de mongolização, gerando a raça amarela. Antes disso, no entanto, esses negróides empreenderam um processo de migração, com parte rumando para a Oceania e, ao que tudo indica, outra parte seguindo para a América. "Se as datações que foram feitas estiverem certas, esses negróides chegaram à Austrália há cerca de 30 mil anos", informa a pesquisadora.
Esses estudos vão de encontro à tese do antropólogo Walter Neves, de que os negros chegaram às Américas e ao Brasil, antes dos mongolóides, dos quais descenderam os índios. Que os povos indígenas americanos descendem dos mongolóides, não resta mais dúvida. "O código genético dos índios americanos é semelhante ao dos povos nativos asiáticos", confirma Vânia Prado. No entanto, os homens pré-históricos de Lagoa Santa têm características antropomórficas bastante diferenciadas dos índios americanos e próximas dos aborígines australianos.
A tese de Walter Neves é de que esses brasileiros pré-históricos e os aborígenes australianos, se originaram de um mesmo povo negróide, que habitou o Sul da China e Sudeste da Ásia, antes de migrar para a Oceania e para a América. Outros pesquisadores, ainda na primeira metade do século, já haviam encontrado indícios não só antropológicos, mas também culturais da influência dos nativos australianos na formação de alguns povos indígenas da América do Sul.
O principal desses pesquisadores foi o francês Paul Rivet, que dirigiu o Museu do Homem de Paris, na década de 20. O uso da zarabatana, por exemplo, comum na Oceania, é uma característica de algumas tribos sul-americanas, e não existe entre mongóis ou índios norte-americanos. As evidências levaram Rivet a formular uma teoria da migração dos aborígenes australianos diretamente para a América do Sul, em embarcações, fazendo escala nas Ilhas Polinésias, que ficam no Pacífico, a meio caminho dos dois continentes.
"Essa teoria não se sustenta, porque a ocupação da Polinésia somente se deu há cerca de 2.000 anos, e os aborígenes australianos não dominavam a tecnologia de navegação em mar aberto", explica Walter Neves.

Extinção ainda é misteriosa
O desaparecimento da raça negróide que habitou a região de Lagoa Santa e o relacionamento (ou não) dela com os mongolóides que vieram a seguir e dominaram o continente são mistérios que a Ciência ainda tenta desvendar. Na verdade, entre as ossadas dos chamados "homens de Lagoa Santa", somente as mais antigas, com idade entre 11.500 e 8.000 possuem características negróides, como explica Walter Neves. As mais recentes, com menos de 8.000 anos, já apresentam características mangolóides.
O pioneiro das descobertas dessas ossadas humanas, foi o naturalista dinamarquês Peter Lund (veja o box abaixo), que se radicou em Lagoa Santa na década de 1830. Ele encontrou grande número de fósseis humanos e de animais pré-históricos já extintos nas cavernas da região. O maciço calcário do carste de Lagoa Santa favorece a fossilização das ossadas.
Segundo a arqueóloga Rosângela Albano, que dirige o Centro de Arqueologia Annette Laming Emperaire (é o nome da arqueóloga francesa que coordenou junto com André Prous a missão franco-brasileira que descobriu o crânio de Luzia, em 1975), Lund descobriu cerca de 70 ossadas humanas, a maioria das quais enviadas para o museu de Copenhague. Neste século, muitas outras ossadas foram encontradas por pesquisadores brasileiros e de outros países.
De acordo com Albano, o número de negróides encontrados é bem menor do que o de mongolóides, o que seria uma indicação que os primeiros chegaram aqui em número bem inferior. Porém, para Walter Neves, não há como fazer deduções sobre essas densidades populacionais. Ele lembra que o fato de os negróides serem de um período anterior torna mais difícil localizar seus vestígios.
Para Neves, a possibilidade de inter-relacionamento entre os dois grupos realmente existe. Pesquisas tentando essa comprovação em povos nativos da Patagônia já estão sendo feitas por ele. Mas a chave para uma comprovação definitiva deverá ser mesmo o DNA desses negróides. Uma das tribos atuais que poderia ter influência dos negróides pré-históricos, devido às características antropomórficas, segundo Vânia Prado, é a Maxacali. No entanto, ressalta ela, o DNA desse povo já está "contaminado", devido à miscigenação.

Peter Lund foi o grande pioneiro
Naturalista dinamarquês, Peter Wilhelm Lund nasceu em Copenhague, no dia 14 de junho de 1801. Formado em letras e medicina em 1818, preferiu a zoologia e a botânica. Mas ficou conhecido pelo trabalho realizado na primeira metade do século XIX na região de Lagoa Santa, em Minas Gerais.
Lund visitou o Brasil pela primeira vez em 1825. Residiu no estado do Rio de Janeiro, onde organizou coleções botânicas e ictiológicas. Retornou à Europa cinco anos depois, onde exibiu o resultado de suas pesquisas na França e na Itália.
De volta ao Brasil em 1833, percorreu outros estados, estudando a flora e a fauna locais. Notabilizou-se porém da existência de fósseis nas cavernas da região de Lagoa Santa, na bacia do Rio das Velhas. O doutor Lund, como ficou conhecido, percorreu quase 200 cavernas e identificou 115 espécies de mamíferos. Descobriu até ossos humanos misturados com ossos de animais, aproximadamente da mesma época. Empreendeu estudos detalhados dos fósseis humanos, resultando na definição das características do chamado "Homem de Lagoa Santa".
Naquela cidade, Lund escreve a história da época pleistocênica do Quaternário Brasileiro. Prova a predominância no Brasil dos dentados, alguns de forma gigantesca. A partir de 1835, suas pesquisas passaram a ser subvencionadas pela Sociedade de Ciências de Copenhague. Lund, que acabou reconhecido como o pai da paleontologia brasileira, organizou coleções botânicas, zoológicas e geológicas, divulgando na Europa as riquezas no Brasil.
Em 5 de maio de 1880, o naturalista dinamarquês morreu na própria cidade de Lagoa Santa, que adotara como sua terra. 

Mutações teriam gerado negróides
Apesar do reconhecimento de que os "homens de Lagoa Santa" mais antigos tinham características diferentes dos povos indígenas americanos (pelo menos da maioria deles), depois que a teoria da migração australiana, via mar, diretamente para a América do Sul caiu em descrédito, a Ciência passou a considerar, até recentemente, que a ocupação do continente americano se deu em função de uma única grande migração de mongolóides oriundos da Ásia Central.
As diferenças desses homens pré-históricos mineiros em relação ao restante dos povos nativos americanos, passou a ter como explicação possível diferenciações provocadas pelo isolamento na região durante séculos e séculos.
"Já se percebia que essa era uma população muito antiga e que possuía características diferentes dos indígenas atuais, que têm nítida descendência mongolóide. Mas antes imaginava-se que seria uma variação do grupo mongolóide, que teria sofrido uma diferenciação física por processo evolutivo, com mutações ao longo de milhares de anos", explica a bioantropóloga do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, Cláudia Rodrigues.
Segundo ela, o trabalho do antropólogo Walter Neves, da USP, é inovador porque ele fez comparações das características físicas de Luzia com as de várias outras populações humanas, chegando à semelhança com os aborígines australianos. Além disso, destaca ela, também não haviam ainda sido levantados indícios de uma outra migração da Ásia para a América, anterior à dos mongolóides, por um povo mais antigo do que aquele, utilizando o mesmo caminho, qual seja o Estrito de Bering.

Cocô fóssil e preguiça gigante
Além de ossadas, os arqueólogos têm encontrado na região de Lagoa Santa uma série de outros vestígios dos homens pré-históricos que habitaram o lugar e que ajudam a compreender seus hábitos. É fácil verificar que eles se encontravam na Idade da Pedra Polida, observando seus machados, alguns bem trabalhados, que deveriam servir a rituais (veja foto ao lado), segundo Rosângela Albano.
Mas eles também usavam a pedra lascada, para fazer pontas de lanças. Outros vestígios que ajudam a verificar que esses homens eram coletores e que também caçavam, eventualmente, são restos de fogueiras e de alimentos, e os coprólitos (fezes), que são cocôs pré-históricos fossilizados, como se vê noutra das fotos em detalhe ao lado. A análise desses coprólitos, por exemplo, permite estudar que tipo de alimentação tinham - basicamente frutos, folhas e raízes, além de alguma carne, quando conseguiam caça.
A luta pela sobrevivência envolvia ainda o convívio com grandes animais, como o gliptodonte, um imenso tatu de cerca de um metro de altura; a preguiça gigante, que podia ter mais de três metros quando apoiada sobre as patas traseiras; e o tigre-dente-de-sabre. Em contrapartida, os cavalos que habitavam a região eram pequenos, menores que um cachorro pastor alemão, como atestam ossos achados pelo próprio Peter Lund, ainda no século passado, numa gruta em Matosinhos, que ele batizou de Lapa dos Cavalos. De acordo com Rosângela Albano, Lund foi o primeiro a encontrar ossos de cavalos pré-históricos na América. Um desses ossos pode ser visto no Centro de Arqueologia de Lagoa Santa.

Museu expõe uma ossada completa
As grutas da região de Lagoa Santa surpreendem pela quantidade de achados arqueológicos e paleontológicos que se fazem lá. E um grande acervo desse achados está no Museu da Lapinha, criado há 28 anos pelo arqueólogo amador húngaro, Mihaly Banyai, de 80 anos, 37 deles morando em Lagoa Santa. Banyai conseguiu reunir cerca de 2.600 peças, entre ossadas de animais, vários crânios e outros ossos humanos, além de uma série de objetos dos homens pré-históricos.
Mas o principal achado, foi o de um conjunto de quatro ossadas humanas, localizadas na Lapa do Acácio, em 1987. Trata-se de uma ossada - a única completa já encontrada, segundo Banyai - de um homem adulto , além de uma mulher, um ancião e uma quarta ossada bastante fragmentada, que não deu para identificar bem.
Todo o conjunto foi acondicionado dentro de uma caixa cheia de terra da própria gruta, tapada com vidro, e com os esqueletos na mesma posição em que foram achados por Banyai. O que mais chama a atenção, porém, é uma ponta de flecha feita de nefrita , um mineral inexistente no Brasil, que estava enterrada junto das ossadas. Segundo Banyai, o local mais próximo onde se acha este tipo de mineral é na Guatemala, na América Central.
Isso faz supor que o objeto tenha passado de pai para filho, durante a migração do homem pré-histórico da América Central para a do Sul, ao longo de muitos e muitos anos. E que tenha sido enterrada como parte de um ritual em homenagem aos mortos, como é comum em inúmeros povos primitivos e, inclusive, tribos indígenas brasileiras.

Riqueza da regiãoA região do Carste de Lagoa Santa é tão rica em sítios arqueológicos que, muitas vezes, os vestígios dos homens pré-históricos são achados por acaso e no quintal de casa. A arqueóloga Rosângela Albano encontrou na porta da cozinha de sua casa, no distrito de Lajinha de Fora, um sítio cerâmico, com vasilhas de barro, pontas de flecha de pedra lascada e outros instrumentos. O húngaro Mihaly Banyai, de 80 anos, criador do Museu da Lajinha, atribui mais importância ao grupo de quatro ossadas humanas que encontrou em 1987, na Lapa do Acácio, do que ao crânio de Luzia. Primeiro porque um dos esqueletos está completo; e também porque tratava-se de uma sepultura, enquanto Luzia foi, provavelmente, carreada para a Lapa Vermelha pela água.
Além do Carste de Lagoa Santa, outro importante sítio arqueológico existente em Minas é o Vale do Peruaçu, em Januária, Norte de Minas. Na região, recentemente, o Governo instituiu, por decreto, o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu. São dezenas de grandes grutas, onde se encontram ricos painéis em pintura rupestre, ossadas e objetos humanos pré-históricos.
Para a reconstrução do rosto de Luzia, a equipe de Richard Neave, especialista em reconstituição facial, fez minuciosos exames do crânio, utilizando tomografias computadorizadas. O crânio foi refeito em material sintético e o rosto esculpido em argila. Para modelar o queixo e as bochechas, foram utilizadas camadas de massa que variaram de 15 a 20 milímetros.
Os fósseis dos mais antigos antepassados do homem datam de cerca de 4 milhões de anos. Eram hominídeos, do gênero Ardipithecus. Depois surgiram os Australopithecus. O primeiro representante do gênero humano foi o Homo rudolfensis, há 1,8 milhão de anos. O Homo sapiens arcaico surgiu há 500.000 anos. E o homem moderno, há cerca de 50 mil anos.
As análises de DNA de povos nativos de todo o mundo indicam que o homem surgiu na África. De lá, ele teria inicialmente migrado para a Ásia, de onde se espalhou por todos os continentes. De acordo com os novos ambientes, climas e tipos de alimentação em cada região, as populações humanas foram sofrendo mutações, originando as diversas raças que temos hoje. 

Uma história de 60 mil anos


Uma história de 60 mil anos
Escrito por Juliana Winkel
Uma história de 60 mil anos
Escrito por Juliana Winkel
O solo brasileiro esconde tesouros surpreendentes. Histórias de antes da história escrita, que explicam as origens dos povos da América e são comparáveis, em importância, aos principais achados arqueológicos do Velho Mundo. Heranças que ainda estamos decifrando e aprendendo a preservar.
Quando desembarcou no Brasil em 1825, o dinamarquês Peter Lund se surpreendeu com o que encontrou. Estudioso de botânica e zoologia, o médico e naturalista viu no País - que ainda aprendia o que era identidade - o pano de fundo para grandes pesquisas. Se a Nação era jovem, a terra que a sustentava poderia abrigar histórias mais antigas que o solo das metrópoles europeias.
Estabeleceu-se por aqui em definitivo em 1832. Passou a esquadrinhar a região de Lagoa Santa, Minas Gerais, em busca de vestígios do passado. Explorou mais de 200 grutas, descobriu cerca de 12 mil fósseis. E o grande achado: um cemitério com 30 esqueletos humanos, ao lado de ossos de mamíferos da chamada megafauna. Eram animais de dimensões bem maiores que as atuais, como os gliptodontes (tatus de cerca de um metro de altura), as macrauquênias (herbívoros semelhantes a lhamas com trombas) e preguiças de até seis metros de comprimento e cinco toneladas.
O Homem da Lagoa Santa, como foi batizado aquele fóssil humano, ajudou a reescrever um importante período da pré-história brasileira. Os achados sugeriam que tenha sido contemporâneo desses animais de grandes dimensões, que, por muito tempo, acreditou-se que estivessem extintos quando surgiram as populações humanas.
A teoria de Lund só seria confirmada mais de um século depois, em 2002, com base em análises de datação das ossadas. Para o dinamarquês, porém, nunca restaram dúvidas. Considerado o pai da paleontologia brasileira, foi aqui que morreu, em 1880.

África, nossa avozinha
Análises de fósseis indicam que o homem surgiu na África há cerca de 7 milhões de anos. De lá, espalhou-se pelo mundo.


Parece charada: antes dos portugueses, os índios. Mas, e antes dos índios?
Mesmo depois da passagem de Peter Lund por Lagoa Santa no século 19, a região guardava grandes surpresas. De lá para cá, foram extraídos restos de aproximadamente 250 esqueletos humanos. Na década de 1970 foi encontrado um crânio feminino de cerca de 11.500 anos.A descoberta mostrou que a região já era habitada muito antes do que se imaginava, e pôs em xeque as teorias até então mais aceitas sobre o povoamento do homem nas Américas, que consideravam uma migração única partindo da Europa e atravessando o Estreito de Bering, chegando ao Brasil através da América do Norte.

Em 1998, técnicas de reconstituição permitiram vislumbrar a face da jovem encontrada em Lagoa Santa. Tinha aproximadamente 20 anos, olhos arredondados, nariz largo. Batizada de Luzia - referência abrasileirada a Lucy, fóssil de mais de 3 milhões de anos encontrado na Tanzânia em 1974 -, é considerada, até o momento, a primeira brasileira.
A reconstituição da face de Luzia lembra os aborígenes da Austrália e os negros da África - bem diferente dos indígenas que nos acostumamos a imaginar como os primeiros moradores destas terras. A descoberta deu força à hipótese, até então polêmica, de que o continente tenha sido ocupado não por uma, mas por diversas correntes migratórias, vindas inclusive por terra na última Idade do Gelo, durante a baixa do nível dos mares. O grupo de Luzia teria habitado o sul da China e sudeste da Ásia e migrado para a América e para a Oceania há cerca de 11 mil anos.
Apesar das contribuições de Lagoa Santa para o quebra-cabeça da ocupação das Américas, a polêmica continua. No México, foram descobertas pegadas humanas que podem ter sido feitas há 40 mil anos. Outros vestígios, encontrados no sítio arqueológico da Serra da Capivara, no Piauí, podem remontar a 60 mil anos. A caça ao tesouro está apenas começando.

Pistas inusitadas
Além de ossadas, outros vestígios encontrados na região de Lagoa Santa contam os hábitos dos antigos habitantes do Brasil. Machados trabalhados e outros artefatos mostram que eles viviam na Idade da Pedra Polida (entre 12 mil e 4 mil anos antes de Cristo).

A caça e a coleta de alimentos também eram praticadas - como mostram os restos de fogueiras e coprólitos (fezes pré-históricas fossilizadas), que indicam o tipo de alimentação da época: frutos, folhas e raízes, além de carne, quando havia caça.

Na chapada do Aaripe, o maior sítio de peixes fósseis

A Chapada do Araripe, no Ceará, abriga tesouros que conjugam importância e poesia. Maior sítio arqueológico em registro de peixes fósseis do mundo, suas rochas de cerca de 110 milhões de anos conservam animais nos quais é possível pesquisar células musculares e aparelhos digestivos com as últimas refeições. Foi também o primeiro lugar no mundo onde surgiram flores, datadas do período Cretáceo - quando as placas continentais do Brasil e da África ainda se separavam. Incrustadas em rochas, as plantas fósseis são exemplares que deram origem aos vegetais com flores atuais.

A região, que serviu de campo de estudos para a concepção de alguns dos animais mostrados no filme Jurassic Park, de Steven Spielberg, abriga o Parque dos Pterossauros, a quatro quilômetros de Santana do Cariri. Ali são expostas réplicas artísticas desses animais voadores que possuíam até cinco metros de envergadura. De todos os exemplares fósseis dessa ave já achados no mundo, um terço está na Chapada do Araripe. Ao lado de dinossauros de cerca de três metros de altura e oito de comprimento, disputaram espaço na região que corresponde aos Estados do Ceará, Pernambuco e Piauí há cerca de 100 milhões de anos.
Em 2006 foi aprovado pela Unesco um projeto para transformar a área de pesquisas arqueológicas da chapada no primeiro geopark da América - uma região de turismo científico e ecológico que propicia o crescimento auto-sustentado da população. O parque abrange 5 mil quilômetros, oito municípios e nove sítios de observação.

Arqueologia no quintal
A quantidade e qualidade dos vestígios arqueológicos na Chapada do Araripe surpreende. Pode-se achar material pré-histórico no quintal de casa. As rochas contendo fósseis são utilizadas até mesmo para a confecção de pisos e revestimentos para paredes e muros. Não raro, vê-se rochas com peixinhos decorando paredes de casas e construções na região.


Marajoaras foram embora sem deixar pistas
Entre os anos 400 e 1.300 da era cristã, a Ilha de Marajó abrigou uma das civilizações mais desenvolvidas de seu tempo. Os marajoaras, como foram denominados, viviam em uma sociedade dividida por classes sociais, praticavam a agricultura - cujas bases eram a mandioca e o arroz-bravo - e viviam em aldeias populosas, verdadeiras cidades com até 10 mil moradores. Um sofisticado sistema de aterros protegia-os dos alagamentos periódicos na ilha. A cerâmica marajoara, com seus padrões de decoração sofisticados, é o traço mais conhecido dessa civilização. Transformou-se em símbolo da região.

O desenho mais comum é o da serpente, representada por espirais. Está presente principalmente em peças sacras e urnas funerárias, onde eram enterrados os membros da elite. Alguns deles traziam o crânio deformado propositalmente, por meio de faixas amarradas à cabeça desde o nascimento - prática de status comum também em algumas culturas andinas.
O desaparecimento dos marajoaras, por volta de 1.300, é ainda misterioso. Quando chegaram, os portugueses encontraram o território habitado por índios aruaques.

Biquini de barro?
Mais de mil anos antes do biquíni, as marajoaras já usavam tangas feitas de barro. Eram presas ao corpo por meio de cordões. Podem ter sido usadas como roupas de festa, exclusivas da elite, ou mesmo como vestimenta diária, já que algumas foram encontradas com os furos gastos, o que indica uso frequente.


Stonehenge brasileiro
A 16 quilômetros da cidade de Calçoene, no Amapá, foi descoberto um possível observatório astronômico do Brasil pré-colonial. O monumento é formado por 127 blocos de granito em intervalos regulares. Com cerca de 2 mil anos de idade, marcava provavelmente a chegada do solstício de inverno. O mistério está sobretudo na tecnologia usada para cortar e transportar as enormes pedras.


Santa Catarina abriga os maiores sambaquis do mundo

O sul do Brasil é uma das principais áreas a registrar a existência dos sambaquis, formações pré-históricas compostas da fossilização de conchas, moluscos, ossos humanos e animais. Sambaquis fluviais e marítimos já abrigavam grupos humanos há cerca de 9 mil anos, em algumas regiões do país. Mas é no litoral de Santa Catarina que estão os maiores sambaquis do mundo, com centenas de metros de extensão e aproximadamente 5 mil anos de idade. No interior dessas formações foram encontrados vestígios de fogueiras e instrumentos cortantes, além de ossos de peixes, répteis e baleias - sinais da existência de grupos de caçadores e coletores de alimentos.

O povo dos sambaquis já produzia artefatos em pedra polida, como mostram os instrumentos de caça, ornamentos e esculturas representando animais. Bons nadadores e remadores, tinham em média 1,60 metro de altura. Ainda não se sabe como esses grupos desapareceram. A hipótese mais aceita é de que tenham sido eliminados ou aculturados pelos tupis, há cerca de mil anos.

Brasil: terra de fenícios?
Um dos mistérios que permanece sem resposta diz respeito a uma possível passagem dos fenícios pelo Brasil, muito antes da chegada dos portugueses. Alguns estudiosos afirmam que esse povo de exímios navegadores chegou à América por volta do século 12 antes de Cristo, deixando referências na civilização e mesmo na construção do vocabulário usado por nações indígenas brasileiras. A hipótese ganha força com o achado de supostas inscrições em diversos lugares do Brasil - a mais famosa delas na Pedra da Gávea, no Rio de Janeiro, que abrigaria o túmulo de um rei fenício. A veracidade desses vestígios ainda é duvidosa. O que se pode dizer é que a civilização fenícia concorre também como formadora das raízes brasileiras.


Serra da Capivara desbanca velhas teorias

Se Luzia continua sendo destaque da passagem humana pelo continente, outros vestígios intrigam os pesquisadores e abrem caminho para conclusões ainda mais espantosas. Os olhos de arqueólogos se voltam agora para a região de São Raimundo Nonato, no Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí. Naquela área de caatinga, há 9 mil anos, havia floresta amazônica e mata atlântica. Algumas espécies daqueles tempos ainda estão por lá, junto à maior concentração de pinturas rupestres do País: mais de 30 mil, com cerca de 15 mil anos.

E o mais surpreendente: a região abriga ossadas de animais e vestígios humanos que remontam a 60 mil anos. O avanço das pesquisas nessa direção muda o eixo de pensamento a respeito das migrações para as Américas. “A hipótese é de que as mais antigas vieram da África para o nordeste do Brasil”, afirma a presidente da Fundação Museu do Homem Americano, Niéde Guidon.
A teoria de que as primeiras migrações tenham 40 mil anos a mais do que o imaginado, e de que o homem teria vindo por rotas diferentes das comumente aceitas, era defendida por Niéde há quase 30 anos. Finalmente, análises feitas em 2006 por Emílio Fogaça, da Universidade Católica de Goiás, e Eric Boëda, da Universidade de Paris - um dos maiores especialistas do mundo em tecnologia lítica pré-histórica -, mostraram que Niéde estava certa. As ferramentas de pedra descobertas em São Raimundo Nonato foram realmente feitas por humanos e têm entre 33 mil e 58 mil anos. São, portanto, os vestígios mais antigos de ocupação da América.
A constatação, uma vitória de um grupo de pesquisadores brasileiros, era até então desprezada pela comunidade internacional. Niéde, que há três décadas desenvolve pesquisas na região, destaca o desafio de preservar uma área extensa. “As principais dificuldades são a limitação dos recursos e a velocidade de destruição dos sítios.”
Mais do que simplesmente desvendar mistérios, a missão dos pesquisadores da Serra da Capivara e de todos os arqueólogos que revolvem nossas raízes é também sensibilizar a população e as autoridades sobre um trabalho que pode esclarecer muito sobre os rumos da nossa civilização e nossas ligações com o ambiente. Um esforço sem fronteiras em busca de quem somos, capaz de trazer informações fartas que apontem para onde vamos.

Na trilha do tesouro
Alguns dos lugares que guardam pistas sobre os antigos inquilinos destas terras:

Museu Nacional do Rio de Janeiro
Abriga algumas estrelas da arqueologia nacional. Além do crânio de Luzia, expõe o maior dinossauro encontrado no Brasil, o Maxakalisaurus topai, de 13 metros de comprimento, nove toneladas e 80 milhões de anos. Também estão ali peças marajoaras e fotos de Marc Ferrez que retratam os trabalhos da Comissão Geológica do Império, em 1875.

Fundação Museu do Homem Americano (Fumdham)
Fica em São Raimundo Nonato, no Piauí. Milhares de pinturas rupestres entre 10 e 100 mil anos de idade, além de reconstituições do ambiente pré-histórico, são mostradas com a ajuda de guias especializados. O museu baseia-se nos resultados de três décadas de pesquisas realizadas na região do Parque Nacional da Serra da Capivara.

Museu de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri
Reúne, em Santana do Cariri, Ceará, mais de 5 mil peças. Entre elas, 750 fósseis coletados na região - incluindo partes de pterossauros.

Museu da Lapinha
Fica em Lagoa Santa, Minas Gerais. Das cerca de 2.600 peças, entre ossadas e objetos dos homens pré-históricos, o destaque está no único esqueleto humano adulto completo encontrado no Brasil. Além dele, há uma flecha feita de nefrita, mineral inexistente por aqui - o que sugere que o objeto tenha sido passado de pai para filho durante a migração dos grupos para a América do Sul ao longo de anos.

Lagarto pré-histórico encontrado preso em âmbar

lagarto ambar thumb Lagarto pré histórico encontrado preso em âmbar
O fóssil completo de um lagarto de 23 milhões de anos foi descoberto preservado em um pedaço de âmbar.
Embora não seja o primeiro de tal descoberta, este em particular, é raro porque o lagarto foi encontrado tão bem preservado e ainda tem seus tecidos moles e pele.
Um outro espécime desta espécie já foi encontrado em âmbar mas estava incompleto e pouco pôde ajudar os cientistas.
Especialistas mexicanos agora estão definindo um estudo especial para esta nova descoberta, em um esforço para aprender o máximo possível sobre o assunto.
Criaturas são preservadas em âmbar ao ficarem presos na seiva da árvore que depois se solidifica, aprisionando-os por milhões de anos.
A maioria das criaturas encontradas são insetos, mas o espécime mais antigo já encontrado está um ácaro que viveu há 230 milhões de anos.


Nanotecnologia Pré-Histórica!

Nanotecnologia Pré-Histórica!

aparecimento em 1991 de pequeníssimas peças de artefatos milimétricos na zona dos rios Narada, Kozhim e Balbanyu, deu início a um debate que jamais obteve resposta. Existiu uma cultura capaz de desenvolver a nanotecnologia 300 mil anos no passado? Sim, acharam tudo isso na Russia, e é bombástico.
As nanoestruturas manufaturadas apareceram durante pesquisas geológicas associadas à exploração do ouro. No grupo de pequenas peças metálicas incluem-se parafusos, argolas, molas, e componentes mecânicos não identificados:
nanotecnologia300_1(Parafuso aumentado 100 vezes!)
Segundo as análises efetuadas pela Academia de Ciências da Rússia em Syktyvka, capital da antiga República Soviética de Komi
teu cu, as peças maiores foram feitas em sua maioria em cobre, enquanto nas menores dominava o tungstênio (Um dos materiais mais duros do planeta!) e o molibdênio.
nanotecnologia300_2(O mesmo parafuso anterior, mas aumentado 500 vezes. Repare como as estrias são uniformes demais para sugerir construção bruta, e a única deformidade existente sugere apenas pequeno desgaste…)
De acordo às medições, os objetos menores medem até 0,003 milímetros e os maiores 3 cm, mostrando formas correspondentes a supostos componentes de artefatos nanotecnológicos.
nanotecnologia300_3( Pedaço de uma micro-argola)
As peças foram encontradas a uma profundidade entre 3 a 12 metros, em estratos geológicos entre 20.000 a 318.000 anos de antiguidade. Pensa bem: Nem tua TERA-Avó era gostosa nessa época, porque a TERA-Avó dela também não era… Não existiam! Então COMO CARALHOS, se HOJE EM DIA RECÉM ESTAMOS ENGATINHANDO na área da nanotecnologia, á cerca de 318.000 anos atrás alguém já dominava a técnica? Aliens? Primeira Civilização? Atlantis? WHAT THE FUCK?
nanotecnologia300_4( Uma coleção de pequenos artefatos. Em pleno desenvolvimento do campo da nanotecnología, não existe explicação plausível para estas peças. A peça ao centro da imagem, na parte superior, se aumentada em escala 5.000.000.00 vezes maior (do tamanho de um prédio de 8 andares), serve para explorar o cu do first).
Estudos realizados depois em Helsinki, St. Petesburgo e Moscou não conseguiram determinar a verdadeira origem dos nanoartefatos. Depois da morte em 1999 do Dr. Johannes Fiebag, pesquisador principal do achado junto a Ancient Astronaut Society, o caso deixou de ser pesquisado por completo. Mas ainda hoje, muitos cientistas arrancam os pentelhos do próprio cu ao pensar no assunto. Segundo o documentário Ancient Aliens (Que não afirma NADA, apenas pergunta!): Teria, na antiga história do Planeta, havido uma guerra interplanetária? Seriam estas, evidências de restos de naves alienígenas danificadas em um pega-pra-capar intergaláctico? Ou realmente houve uma primeira civilização que chegou a desenvolver-se á nível tecnológico muito mais avançado que nós, atualmente ? tipo assim… Assassin’s Creed?

http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=TCMkw-yE6fM

Pyramids Found in Antarctica?


UFO Mayan Secrets & Ancient Aliens Revealed


quinta-feira, 6 de junho de 2013

Você acredita em sereias? Talvez seja hora de reavaliar suas crenças.

Mão(O seguinte artigo é mostrado aqui meramente para sua avaliação e o OVNI Hoje não pode certificar sua veracidade. Apesar do assunto apresentado não ser diretamente relacionado ao nosso tema, ele nos lembra do fato de que ainda há muitos mistérios para serem desvendados sobre nosso próprio planeta.)
O vídeo abaixo, que foi recentemente publicado no YouTube, teria sido extraído de um programa chamado “Mermaids, The New Evidence“, ou “Sereias, a Nova Evidência”, em português, e tem aguçado a imaginação de muitos internautas.
De acordo com o vídeo, em março deste ano o geólogo marinho dinamarquês, Dr. Torsten Schmidt, (à direita no vídeo) estava em um submarino na costa de Groenlândia, a 600 metros de profundidade, filmando e “mapeando o chão do oceano” para localizar pontos de perfuração de petróleo, quando, alegadamente, algo surpreendente  o fez uma breve visita.
sereiaNo início do vídeo, o apresentador pergunta ao homem da esquerda, um certo Dr. Paul Robinson, se esta seria a mesma criatura cujos restos foram encontrados por ele na África do Sul.  Dr. Robinson confirmou que teria sido a mesma criatura, embora os restos mortais encontrados na África do Sul estavam incompletos.
Na sequência do vídeo, é falado que em 27 de março passado, o governo da Groenlândia baniu todas as novas perfurações de petróleo de seu país.  Na entrevista menciona-se que isso foi devido diretamente à descoberta da criatura que aparece no vídeo.
Aos 5:10 do vídeo é mostrado algo que teria ocorrido na cadeira rochosa submarina de Jan Mayen, em 2010.  Os sons escutados no vídeo, bem como o impacto sentido pela tripulação, foram explicados como sendo baleias piloto que estavam irritadas com o sonar emitido pelo submarino.  Porém, os cientistas do vídeo discordam com a explicação e dizem que os sons dessas baleias são diferentes.
Perfuração banida
Perfuração de novos poços submarinos de petróleo é banida na Groenlândia.
Aos 11:20 do vídeo, aparecem imagens de um peixe sendo arpoado e alega-se que esta tenha sido a ação de um desses seres submarinos. Logo após, algo com uma enorme cauda passa na frente da câmera.
Infelizmente, o vídeo é em inglês e ainda não há versões legendadas em português, mas há muitas outras informações no vídeo.  Uma delas é que governos estão ocultando estes fatos, inclusive confiscando equipamentos de cientistas que descobrem este tipo de coisa, pois financeiramente há muito em jogo.
Há uma grande probabilidade de que o vídeo tenha sido fabricado, pois não conseguimos nenhuma outra comprovação de sua veracidade, fora o fato de que o governo da Groenlândia tenha mesmo banido as novas perfurações de petróleo no fundo do mar em sua costa.
De qualquer forma, veja o vídeo em questão abaixo. Alertamos ao fato de que ele está apresentado de forma truncada e fora de sequência:





http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=BCHMOEcYtqM

Serpo-Zeta Reticuli, o Programa de Intercambio, Post 24

Serpo-Zeta Reticuli, o Programa de Intercambio, Post 24



O Projeto SERPO, um Programa de Intercâmbio secreto do governo dos EUA com alienígenas habitantes do sistema solar de Zeta Reticuli 1 e 2 - Postagem nº 24, liberada em 20 junho 2007.

A liberação gradual dos documentos confidenciais relativos a um programa de intercâmbio ultra-secreto de doze militares dos E.U.A. com alienígenas habitantes de SERPOum planeta do sistema solar duplo de ZETA RETICULI I e IIentre os anos de 1965-1978. 
Postagem número 24, liberada em 20 de junho de 2007: Cientista da ÁREA 51 conta tudo sobre espaçonave alienígena! 
Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com
Fontehttp://www.serpo.org/release23.php
Postagem número 24, liberada em 20 de junho de 2007:
Cientista da ÁREA 51 conta tudo sobre espaçonave alienígena e seu sistema de propulsão (um reator de plasma?)! 
A atenção dos Cientistas, Físicos e outros tipos de pesquisadores científicos de fundo de quintal: aprendam OS SEGREDOS de um sistema de propulsão alienígena com as informações de um insider do governo e da ÁREA 51, e saiba por que não podemos decifrá-lo completamente e reproduzi-lo!
Descubra o que faz uma espaçonave extraterrestre ir de um ponto “A” para outro ponto “B” quase sem GASTAR COM COMBUSTÍVEL, mas  que “gera e cria enormes quantidades de energia!”  ENTENDAM PORQUE  “2 + 2 = 5″ no resto do cosmos, EXCETO aqui no primitivo (a cultura e ciência humana) planeta Terra. APRENDAM que o lugar apropriado para os NOSSOS  “complicados esquemas científicos” (n.t. devemos colocar os nossos “grandes” cientistas junto) desenvolvidos sobre física mecânica e quântica … O seu lugar correto é em uma latrina!
NOTAS e explicação do moderador: O que se segue é uma entrevista exclusiva entre um cientista da  ÁREA 51 e Linda Moulton Howe, realizada em abril de 1995. 
US-DefenseIntelligenceAgency-Seal.svg
Para melhor conhecimento do nosso informante ANONYMOUS e seu pessoal do D.I.A.*-6 (Defense Intelligence Agency (DIA)-Agência de Inteligência da Defesa), o conteúdo desta entrevista EXPLOSIVA NUNCA foi tornado público, talvez devido ao acordo de Moulton-Howe celebrado com o Governo dos EUA no momento da entrevista.  
{n.t. – *Defense Intelligence Agency (D.I.A.): A Agência de Inteligência da Defesa (D.I.A.) é o produtor central e gerente de inteligência militar estrangeira para os Estados Unidos. Como um serviço de inteligência dos principais membros da Comunidade de Inteligência dos EUA, a agência trabalha para responder a objetivos de defesa a nível nacional para o Presidente, o Secretário de Defesa, e altos responsáveis políticos civis e militares dos Estados Unidos.  Seu trabalho engloba todos os aspectos e requisitos da inteligência militar, incluindo a inteligência política, econômica, industrial, geográfica, médica e de saúde estrangeira relacionados à defesa.  Além disso, o DIA lidera a Comunidade de Inteligência na coleta, prospecção, análise e produção de medidas de inteligência sob sua responsabilidade.}
Em um telefonema que eu fiz para a residência de Linda Moulton-Howe na manhã de domingo, 17-06-2007, eu confirmei com ela que a entrevista a seguir nunca apareceu publicada em seu Website: http://www.earthfiles.com/ 
Independentemente disso, ANONYMOUS já me instruiu para liberar um resumo da entrevista com cinco páginas, pela sua importância, que é reproduzida a seguir abaixo.  Como sempre, os meus próprios comentários / notas são compensados pelo uso de colchetes [ ]. 
————————————————————————–
- Começo da entrevista –  
Este material bruto é inteligência  e a disseminação da informação pública e a pessoal não autorizado é proibida. Não foi dada uma classificação de segurança top secret para este anexo.  
Entrevista com o Dr. Craig McPherson, cientista em Física e ex-funcionário da ÁREA 51.  
Dr. McPherson trabalhou na ÁREA 51 de maio de 1956 até Setembro de 1988. Esta entrevista foi feita por Linda Howe, durante uma reunião no Las Vegas Hilton em 8 de abril de 1995. Sob um acordo escrito entre Linda Howe e o Dr. McPherson, o conteúdo da entrevista não poderia ser tornado público. Uma fonte do governo dos EUA registrou a entrevista. O que se segue é um resumo das informações prestadas pelo Dr. McPherson naquele momento. 
NOTA: Uma verificação extensiva sobre o Dr. Craig H McPherson foi realizada. O Dr. McPherson obteve um certificado de segurança com base em uma  ”investigação expandida de antecedentes” (Expanded Background Investigation), em agosto de 1956. O seu nível de segurança (acesso a informações cada vez mais classificadas como top secret) foi se ampliando em várias e diferentes ocasiões, até a sua aposentadoria. O Dr. McPherson era um funcionário empregado do Serviço Público Federal dos EUA de 23 de maio de 1956 até 1 º de outubro de 1988.
O Dr. McPherson se aposentou no Serviço Civil Federal com graduação de GS-16, ele nasceu em 8 de Abril de 1920, em Scranton, PA. O Dr. McPherson prestou serviço militar na infantaria do exército dos EUA na Europa, durante a segunda guerra mundial, a partir de junho de 1944 até outubro de 1946. Ele obteve a patente militar de sargento, no momento da sua passagem para a reserva. O Dr. McPherson estudou na Penn State University, na Universidade da Pennsylvania e no MIT (Massachusetts Institute of Technology).
Entrevista do Dr. Craig McPherson, por Linda Howe em 08 de abril de 1995. Local: Las Vegas, Nevada, EUA. O Dr. Craig McPherson começa a falar: 
“Eu servi no Exército dos EUA entre 1944-1946. Após a minha saída, eu freqüentei a faculdade e obtive uma graduação PhD em física. Eu trabalhei para a indústria privada em 1955-1956. Em maio de 1956 fui contratado pela Força Aérea dos EUA como um especialista em Física Aplicada.
Meu primeiro trabalho foi na Base Aérea Nellis, Nevada, instalação de experimentação. Eu trabalhava em Indian Springs AFB, Nevada, nos primeiros sete meses. Meu trabalho se referia ao exame de tecnologia estrangeira. A tecnologia estrangeira era composta de equipamentos soviético e chinês. A maioria dos equipamentos era obtido a partir de um governo amigo. O equipamento consistia de tanques, equipamentos eletrônicos, sistemas de armas e outros itens relacionados.
Durante este período de tempo, a Força Aérea construía uma instalação subterrânea embaixo do Lago Groom. A construção começou em 1955 e terminou em algum momento durante o verão de 1959. Eu trabalhei na Divisão de Estudos de Aplicações de Tecnologia Estrangeira (FTASD). Tivemos três (3) diferentes instalações, duas delas em Groom Lake e uma em Indian Springs. Mais tarde, obtivemos uma instalação em Tonopah.
Assim que que a instalação subterrânea em GROOM LAKE estava pronta, nós nos mudamos para ela. Isso foi em algum momento no início de 1960. A instalação então era uma das maiores contruções subterrâneas já construídos. Nós tínhamos mais de um bilhão de pés quadrados de espaço livre (cerca de 93 milhões de metros quadrados !!). Nos anos posteriores, a instalação subterrânea, codinome “Espaço Profundo” (Deep Space), foi expandida para incluir MAIS três (3) diferentes níveis.
Eu estava envolvido na pesquisa e desenvolvimento do avião SR-71. Tivemos vários aviões diferentes sendo desenvolvidos. O FTASD tinha mais de 65 cientistas, técnicos e militares designados. A maior parte do nosso trabalho foi muito original. Nós obtivemos algumas informações do Foreign Technology Group Acquisition  (FTAG).
Este grupo obtinha informações de governos estrangeiros ou de agências de inteligência. Junto com os estudos sobre os equipamentos estrangeiros que tínhamos disponível na instalação, podíamos aplicar os princípios científicos avançados para promover nossa própria tecnologia. Fizemos excelentes avanços durante este período de tempo.
Durante este mesmo período de tempo, eu nunca vi um UFO ou qualquer coisa parecida com um UFO no Groom Lake Test Facility. Eu não vi nenhum ET nem eu nunca ouvi ninguém mencionar que nosso governo havia feito a engenharia reversa de algum dispositivo ET.
No verão de 1969, fui transferido do FTASD para o Grupo de Estudos Avançados (ASG). A ASG é um grupo muito secreto localizado no segundo nível da ÁREA 51, Complexo III. Para entrar desde a primeira vez nas sua instalações primeiro eu tive que obter um certificado de segurança adicional para acessá-la. Durante a minha entrevista na ASG, fui informado de que o nosso grupo estava trabalhando em princípios de investigação avançada envolvendo aparelhos voadores não-convencionais.

Eu vi o meu primeiro dispositivo não convencional apenas poucos dias depois de ser atribuído para trabalhar no ASG. O aparelho voador tinha o codinome “Atlas-Tank” (AT). ERA UM DISCO VOADOR EXTRATERRESTRE. Eu trabalhei em problemas físicos específicos associados com este projeto MUITO original. Nós tínhamos fabricado o AT durante um período de 8 (oito) anos.
Fui levado para esse projeto durante a última parte do seu teste de solo. Resolvemos a maioria dos problemas técnicos, mas ainda não conseguíamos fazer o aparelho AT voar. Vários sistemas de propulsão diferentes foram usados no veículo, mas nenhum deles funcionou. Em algum momento de 1973, me foi dado um outro certificado de segurança. Eu então fui transferido para outro local dentro do complexo III na ÁREA 51. Esta era uma nova área na enorme instalação subterrânea. Fui designado para o grupo ASG-Alpha.
Uma vez dentro dessa nova instalação, me foi dado acesso a outro “disco voador”. Este parecia ter a mesma forma como o AT. No entanto, o seu nome de código era “Blue Chariot” (BC). Apesar de eu não ter acesso ao interior do BC, eu fiz pesquisas na área externa daquela espaçonave. Em nenhum momento me foi dito que qualquer uma destas máquinas voadoras eram  relacionados com ETs. Eu trabalhei no ramo Alpha por vários meses antes de me mudar de volta para o Grupo ASG.
Em 1973, um terrível acidente ocorreu na instalação do Complexo III na ÁREA 51. O sistema de propulsão da espaçonave BC foi ativado e ocorreu uma explosão matando seis (6) técnicos. Na verdade, não foi uma explosão. Um parafuso ou uma bola de plasma saiu do sistema de propulsão (n.t. um reator de plasma a mercúrio – metal líquido – gerador de campo e pulso eletromagnético) e atingiu os técnicos, vaporizando completamente os seus corpos. O BC foi então levado para uma outra unidade, que estava localizada em uma área muito remota da ÁREA 51. Esta área estava situada ao lado do antigo  campo terrestre de testes nucleares.
Mais informações sobre a ÁREA 51 e tecnologia alienígena nos links:
http://thoth3126.com.br/area-51-entrevista-de-david-adair/
http://thoth3126.com.br/area-51-entrevista-de-david-adair-parte-2/
http://thoth3126.com.br/area-51-entrevista-de-david-adair-parte-3/
http://thoth3126.com.br/area-51-e-seus-segredos-por-david-adair-parte-de-final/
 Os cientistas finalmente aprenderam como o sistema de propulsão funcionava. Então eles puderam ativar o sistema, que geraria uma enorme quantidade de energia. A energia poderia ser formada em “bolas de plasma” ou um fluxo contínuo e constante de energia. O sistema pode gerar energia equivalente a uma explosão nuclear (controlada) com potência a partir de um intervalo entre 0,1 até 350 kilotons.
A coisa estranha sobre este sistema de energia era que havia a falta de radiação. O sistema poderia gerar essa quantidade enorme de energia, mas não produzia nenhum tipo de radiação residual. Este fato intrigava muito os cientistas. Quando eu me aposentei, em 1988, ninguém ainda conseguia entender o sistema. Eles poderiam ativá-lo, mas não conseguiam entender como ele funcionava.
Até aquele tempo em nenhum momento me foi dito por alguém que o novo sistema de propulsão havia sido dado a nós pelos Extraterrestres. Nem nunca me foi dito que os ETs nos cederam qualquer tecnologia. Nós assumimos que o novo sistema de propulsão havia sido desenvolvido pelos soviéticos. Embora ninguém nos dissesse que o novo sistema de propulsão e a espaçonave BC-Blue Chariot estivessem relacionados com extraterrestres, nós pensávamos que eles estavam sim relacionados.

Acima: Essa foto do UFO americano, o TR-3b Astra foi tirada quando sobrevoava a Bélgica, provavelmente durante voo de teste..
Para saber mais: 
http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua/
http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua-ii/
Tivemos nossas próprias discussões privadas sobre toda aquela tecnologia. Eu poderia te dar os detalhes técnicos do sistema de propulsão, mas isso ainda é altamente confidencial. Posso dizer que o sistema opera com alguns princípios (sobre antimatéria) desconhecidos. Nós tentamos, muito sem sucesso, aplicar o nosso conhecimento da física aqui da Terra, a teoria quântica e outros princípios para este novo sistema.
Em nossa ciência, há dois (2) tipos básicos de vínculos/conexões pelos quais os átomos básicos se conectam para formar as moléculas – ligações iônicas e covalentes. Um átomo é normalmente eletricamente neutro. Ele tem o mesmo número de prótons carregados positivamente em seu núcleo, uma vez que tem carga negativa de elétrons em órbitas cativas ao seu núcleo.
Neste sistema, as coisas são diferentes. Há um método desconhecido pelo qual os átomos estão alterados. Em vez de ligações iônicas ou covalentes, este novo sistema cria um  TERCEIRA tipo do princípio de união atômica em novas moléculas. Este novo tipo de ligação faz com que os átomos assumam uma forma diferente. Os Átomos saem de um estado normal – e quando eu digo “normal”, quero dizer normal em nossa ciência terrestre – para um formato como “multiplicados”. Em outras palavras, os átomos estão dobrados ou “apoiados” uns aos outros.
Os átomos de certa forma estão um pouco modificados, mas eles mantêm a sua forma original. Sei que isso é muito difícil de entender (é pradoxal). É por isso que nós ainda não entendemos essa tecnologia. Vou te dar um exemplo simples.
Se você pode lembrar de química básica, você vai se lembrar que um átomo de hidrogênio é constituído por um único próton -no núcleo – com um elétron em um estado orbital cativo. Quando dois átomos de hidrogênio se aproximam um do outro, a sua energia combinada se torna menor se eles compartilham os seus elétrons. Bem, neste novo sistema, um átomo de hidrogênio, submetido a esta nova tecnologia (dentro do mecanismo – reator de fusão –  do sistema de propulsão) muda para um novo princípio.
Primeiro, nesta tecnologia extraterrestre, quando dois átomos de hidrogênio se aproximam uns dos outros, o seu nível de energia combinada se torna MULTIPLICADO através deste princípio estranho de ligação entre os átomos. Assim, em vez de ter um nível de energia inferior, a energia é multiplicada pelo número de átomos de hidrogénio em que existe a conexão. Se usássemos o IDEÁRIO QUANTUM para entender isso, poderíamos concluir que os princípios quânticos não funcionam neste novo sistema.
Normalmente, em nosso sistema terrestre, os íons carregados positivamente se atraem e se vinculam / conectam com íons negativamente carregados para formar às moléculas (Polaridades opostas que se atraem). Este não é o caso neste novo sistema. Não faz diferença se os íons são positivos ou negativos, eles se unem independentemente de valência e polaridade. Sabemos  que existe algo dentro deste sistema de propulsão, algo que faz com que esses fenômenos não naturais (em nosso planeta) e estranhos aconteçam.
Duas placas metálicas divididas em tiras são colocadas dentro de uma câmara de vácuo. A câmara é geradora de um vácuo perfeito, ou seja, não há nenhum ar exterior ou outros gases no interior desta câmara. Um tubo se estende de uma segunda câmara para a outra, comprimindo gases dentro dela. Uma terceira câmara obriga outro gás para entrar na primeira câmara. Nós sabemos que os gases empurrados contra essas duas placas de metal da primeira câmara de total vácuo causam que uma enorme quantidade de energia venha a ser criada.
Finalmente, pouco antes dos gases comprimidos serem “misturados”, surge uma forma de luz gerada que está focada em oposição a energia que foi gasta. Esta luz é de uma frequência mais baixa. Normalmente, em nossa teoria quântica, uma pequena freqüência significa uma energia mais baixa. No entanto, neste sistema extraterrestre, a menor freqüência de luz foi medida e se percebeu conter uma enorme quantidade de energia produzida sobre a quantidade de combustível (gases) gasto. Quando saí do emprego em 1988, nós ainda não conseguíamos entender como os gases erram misturados, nem poderíamos também determinar como a luz era gerada.
Você pergunta sobre os metais dentro deste recipiente a vácuo. Bastante intrigante. Em primeiro lugar, as tiras de metal estão localizadas no interior do container à vácuo número 1. As tiras de metal estão ajustadas perpendicularmente umas às outras em exatamente 6,54 centímetros de distância. Cada tira de metal mede 18,45 centímetros x 9,43 centímetros. Cada tira de metal tem 3,46 centímetros de largura. Os lados das tiras viradas uma para a outra contém uma camada de metal brilhante. Os lados opostos contêm um revestimento opaco.
Olhando para as tiras de metal desde cima, se pode notar que uma outra substância esta colocada entre as duas substâncias externas. Os materiais que envolvem cada uma das tiras de metal nunca foram identificados. Nós conhecemos a densidade das tiras de metal e a sua dureza, medidas com a escala de Mohs.
A densidade das tiras de metal são 94,5 [9,45?] no lado brilhante, e de 34,2 [3,42?] no seu lado oposto. Acredito que a densidade ou a gravidade específica foi medida através do método convencional, em que o valor é determinado em gramas por centímetro cúbico. Não sendo um engenheiro metalúrgico, não posso fazer comentários sobre esses valores. Mas o que é interessante é que essas duas fileiras de tiras de metais estão localizados dentro de um recipiente a vácuo um arredondado. O revestimento exterior deste recipiente também é brilhante.
Você pergunta sobre os gases utilizados. Eu não sou um químico, e eu sabia muito pouco sobre os gases contidos nos recipientes número 2 e o 3. Estes gases são de dois tipos distintos. Um deles é um tipo de gás-liquido e o outro é um gás solidificado. Não me peçam para explicar esses dois, eu acredito que nem os nossos engenheiros químicos poderiam fazer isso. Eu só sei que uma vez que o dispositivo é ativado os dois gases se misturam e criam intensa energia por algum método. Eu não quero o meu nome ligado a uma história sobre extraterrestres.
FIM da entrevista
Mais para vir ….  ANONYMOUS 

Acima: “Um Ancient Vimana e a aeronave Top Secret desenvolvida pelos E.U.A., código TR-3B com formato triangular aeroespacial movida a propulsão nuclear com três reatores (descrição Edgar Fouché) combinado com a criação de um campo de vórtice de pulso eletromagnético gravitacional, movido a plasma de mercúrio para interromper / neutralizar os efeitos da gravidade sobre a massa do veículo e em suas proximidades, espaçonave desenvolvida com tecnologia extraterrestre. (Mirahorian)

Notas do Moderador Victor Martinez: 
  • Ligação covalente: A ligação química formada quando os elétrons são compartilhados entre dois átomos. Normalmente, cada átomo contribui com um elétron para formar um par de elétrons que são compartilhados por ambos os átomos.  
  • Ligação iônica: A ligação química formada entre dois íons com cargas opostas. Ligações iônicas se formam quando um átomo dá-se um ou mais elétrons de outro átomo. Estas ligações podem formar entre um par de átomos ou entre moléculas e são o tipo de vínculo encontrado em sais. 
  • PROPULSÃO IONICA: Força de Propulsão gerada pelo impulso reativo de um feixe de alta velocidade de íons carregados semelhante ejetados por um motor iônico. 
  • Kiloton: A força explosiva produzida equivalente de 1.000 toneladas de TNT, uma unidade para medir o poder das armas atômicas termonucleares. 
  • Escala de Mohs: A dureza/densidade é uma das principais formas utilizadas para se reconhecer uma substância mineral. É utilizada uma escala para medir a dureza de um mineral relativamente pela sua resistência aos riscos. Em 1822, Friedrich Mohs [germano-austríaco: 1773-1839] criou uma escala de dureza com base na atribuição de números de minerais comuns. O conceito é que um mineral duro (um com um número mais elevado) pode arranhar/cortar um mineral mais macio. 
Outros materiais podem ser correlacionados com esta escala. Por exemplo, o aço usado em um canivete é de cerca de 5,5 e o vidro é cerca de 6, então o vidro pode riscar o aço, mas um canivete comum não vai arranhar o vidro.
Do mais suave/mole ao mais duro/difícil de se cortar, os 10 minerais da escala de Mohs são: 
  • talco = medindo 1 na escala de dureza 
  • gesso = 2 
  • calcita = 3 
  • fluorite = 4 
  • apatita = 5 
  • feldspato orthoclase = 6 
  • quartzo = 7 
  • topázio = 8 
  • corundum = 9 (incluindo o rubi e a safira) 
  • diamante = 10 / a forma mineral de carbono que é extremamente duro e difícil de cortar e transparente (usado na indústria de raios laser). O diamante é produzido na natureza geralmente na forma de cristais conformados em octaedros. 
Os cristais de diamantes vêm de estruturas anormais semelhantes aos chamados tubos de vulcões, os diamantes são encontrados incorporados em um mineral chamado kimberlito. Diamantes são formados a grandes profundidades sob alta pressão e altíssimas temperaturas, em seguida, são transportados para a superfície por um tubo de kimberlite. Porque os diamantes são a substância mais dura encontrada na Terra e resistem ao desgaste, eles também sobrevivem à passagem de locais de origem em depósitos de cascalho nos rios e nas praias.  
Referência: http://en.wikipedia.org/wiki/Mohs_hardness_scale
Adendum sobre METAIS / MINERAIS: 
A escala de Mohs é uma escala de dureza relativa (um mineral em relação a outros minerais).  Existem várias escalas sobre a dureza de minerais e uma dessas escalas é conhecida como a escala de DUREZA ABSOLUTA:
  • Talco 1 =
  • Gesso = 2
  • Calcita = 9
  • Fluorita = 21
  • Apatita = 48
  • Feldspato Orthoclase = 72
  • Quartzo = 100
  • Topázio = 200
  • Corundum = 400
  • Diamante = 1500 
Por exemplo, essa escala indica que o corindo é duas vezes mais duro do que o topázio, o diamante é quase quatro vezes mais duro do que o corindo. 
Referência: http://en.wikipedia.org/wiki/Corundum
Não está claro se o Dr. Craig McPherson estava dando números sobre a dureza de metais e minerais na escala absoluta, como 94,5, enquanto que anteriormente ele se referiu à escala de Mohs. Metais (como uma lâmina de faca normal) pode ser superior a 50 na escala de dureza absoluta e aço temperado pode ser 100 ou mais. Fontes: THE AMERICAN HERITAGE DICIONÁRIO de CIÊNCIAS. 
Fatos mais recentes mas relacionados com o assunto da  postagem atual “Projeto SERPO”: 
Um novo e ENORME HANGAR EM CONSTRUÇÃO na ÁREA 51 … é para receber visitas de ETs chegando em novembro PERMANENTEMENTE em 2009! UM AVISO: Aqui esta um item de interesse para o público, uma vez que nossos impostos (dos norte americanos) suados estão envolvidos, e espero que nos trabalhos de construção do aumento da base para os nossos amigos “visitantes”!  O tamanho estimado é de 200 pés x 500 pés e 100 pés de altura.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Contagem Regressiva Para o Fim do Mundo? Não Seja Ludibriado Pela Profecia do Calendário Maia!



Natural News

O mundo vai acabar em 16 dias, é o que dizem. É quando o calendário maia vai "acabar", fazendo com que todos deixem de existir, pelo menos é o que a estória conta.

É puro sensacionalismo, é claro. Eu garanto que nós ainda estaremos aqui no dia 22 de dezembro, e se eu estou errado e o universo realmente chegar ao fim, bem... você pode atirar em mim ou algo parecido.

Claro, pode haver algumas coisas estranhas acontecendo por volta do dia 21 de dezembro. Muitas pessoas estão usando a transição do calendário maia para se envolver em maratonas de meditação, a fim de se concentrar em paz universal e vibrações semelhantes. Isso é muito bom. Nenhum mal em alguma meditação saudável...

Outras pessoas suspeitam que os governos podem realmente usar o dia 21 de dezembro para encenar algo nefasto (um ataque de falsa bandeira), assim, aproveitando-se da
incerteza e do medo que já existe a medida em que o dia se aproxima. Esta é uma possibilidade legítima, e por isso, se algo acontecer em 21 ou 22 de dezembro, a primeira pergunta que você devefazer é: "Será que o governo encenou isto?".

O perigo de investir a suas intenções em uma falsa profecia

Há sempre alguma profecia, ao que parece, advertindo que o fim do mundo está chegando em uma data específica. No ano passado eu lembro algumas pessoas postando no Facebook, freneticamente me pedindo para escrever sobre um cometa se aproximava (ou planeta secreto, eu não me lembro qual) que iria colidir com a Terra e destruir a todos nós. [Nota blog Anti-NOM: o autor se refere ao cometa Elenin, sobre o qual escrevemos aqui].

Eu nunca cobri o tópico, é claro. E aqui nós estamos ainda, incrivelmente.

Mas algumas pessoas realmente acreditam seriamente na última profecia do momento e como resultado eles planejam suas vidas em torno da crença de que nada existe além do dia 21 de dezembro. Este tipo de comportamento não combina muito bem com as tarefas da vida, tais como o planejamento financeiro. Algumas pessoas estão agora gastando tudo nos seus cartões de crédito sob o pressuposto de que não terão que pagar nada de volta, uma vez que tudo será destruído no dia mágico do calendário maia.

Essa abordagem em relação às dívidas realmente vai ter consequências no dia  23 de dezembro ou quando a conta devida chegar. Na verdade, isto poderá muito bem parecer com o fim do mundo, quando você perceber que prematuramente pediu as contas do seu trabalho e gastou um monte de dinheiro que você nem sequer tinha (e agora tem que pagar de volta sem o benefício de um resgate do governo de um trilhão de dólares).

Há ameaças legítimas para nosso mundo, mas o calendário maia não é uma delas.

Aliás, o fim do mundo está realmente se aproximando, e há muitas razões pela qual a nossa atual civilização humana está absolutamente insustentável.

Há ameaças legítimas à nossa civilização com os transgênicos (poluição genética), a pilhagem dos recursos naturais, perda da camada superior do solo arável, a poluição dos oceanos, infertilidade desenfreada causada por produtos químicos sintéticos, e até mesmo ameaças de experimentos científicos insanos que poderiam teoricamente criar buracos negros que consumiriam todo o planeta.

Nenhuma destas ameaças é ficção, elas são muito reais. E em cima disso, há também o futuro colapso da dívida que não vai realmente destruir o mundo, mas vai fazer você desejar que ele tivesse sido destruído, devido à pobreza e à fome desenfreada que provavelmente irá desencadear.

Mas mesmo com essas ameaças reais, legítimas, não é motivo para viver a sua vida como se tudo estivesse chegando ao fim, porque na verdade ninguém sabe a hora destas coisas. O colapso econômico, por exemplo, poderia acontecer esta noite ou talvez em dez anos. É difícil dizer exatamente quando as coisas vão chegar a um ponto de colapso. Assim, embora seja inteligente estar preparado para o inesperado, não é prudente permitir que toda a sua existência seja dominada pelo pensamento de que tudo está chegando ao fim em uma data específica do calendário.

A não ser que o próprio Deus transmite uma mensagem multi-lingual dos céus anunciando uma hora e data específica que ele vai "acabar com a simulação" e fechar o cosmos, seria sensato permanecer no curso com a sua vida e não apostar todas as suas cartas em uma profecia sonhada por seres humanos da antiguidade que ainda não tinham desenvolvido um alfabeto. [Nota Blog: em relação a uma suposta mensagem divina, leia o post: "[VIDEO] Michael Persinger - Rádio-frequência para o Controle das Mentes. Estudos, Projetos e Patentes"]

Fontes:

Natural News: Countdown to the end of the world? Don't be snookered by Mayan calendar prophec